Artigos

 

 

 

Diálogos 2015: os conceitos   Dynamica Consultoria - maio - 2015

O seminário Diálogos - conduzindo mudanças organizacionais tem tratado os temas de Gestão de Mudanças Organizacionais (GMO) de modo a dar organicidade às atividades desenvolvidas em cada edição - nas discussões dos Painéis Temáticos, nas Dinâmicas de Grupo e nas Oficinas para Mudanças. Na 1ª edição a palavra de ordem foi “convergência de conhecimento” e em 2014 o evento usou a chamada “faça a mudança, seja a mudança”, com o sentido de abrir novos horizontes para uma jornada de transformações (leia mais sobre a 1ª edição e a 2ª edição).
Nesta 3ª edição (16 e 17 de setembro, veja detalhes aqui), os esforços da Dynamica Consultoria se concentram nos principais quesitos para a formação e ação dos profissionais - de modo a lidar com as proposições de mudanças internas visando a vinculação destas ao planejamento estratégico de suas empresas.

A capacidade de conduzir mudanças
Conhecimentos, Habilidades e Atitudes. Esses 3 elementos têm um papel especial na formulação dos Diálogos 2015. Eles permitem desempenhar determinada função na busca de resultados concretos, mobilizando um conjunto de recursos cognitivos para solucionar com eficácia uma série de situações.

competencias

Mas isto não tem significado em ações isoladas. A competência resultante de tais fatores só se manifesta e se aprimora com ações integradas, as realizações em equipe. A combinação dos esforços individuais, trazendo cada experiência individual, deve permitir o trabalho em equipe. Isto é, um grupo integrado e voltado aos mesmos objetivos, alinhando diferentes especializações (ou diferentes conhecimentos e habilidades) de pessoas unidas por uma única atitude: o querer fazer, atingir um objetivo comum. Isso implica em lidar com mudanças dentro da organização e para o próprio indivíduo. Não há mudança organizacional sem mudança individual. Porque não há organização de sucesso que não considere as pessoas que a formam e dão vida. Iniciado o processo de mudanças, é preciso lidar com as sensações das pessoas de modo a enriquecer o trabalho em grupo e não limitá-lo. Veja-se a chamada curva da mudança:

curvadamudanca

Mudanças nunca têm aceitação automática, especialmente se afetam crenças e procedimentos estabelecidos há tempos. O que aponta o maior ou menor tempo na aceitação e compreensão de adequações, tanto individuais como em grupo, vem da formação de cada um, da experiência e conhecimentos adquiridos de cada participante de uma equipe de trabalho. Com clareza de objetivos, a curva ascendente rumo à integração pode ser mais rápida - abrindo com mais segurança novos caminhos de trabalho, a “exploração [produtiva e criativa] das possibilidades”.

Temas e recursos técnicos
Já estão sendo preparados os exercícios em grupo durante as plenárias e o que será desenvolvido durante as Oficinas para Mudanças. E os temas centrais, através dos Painéis Temáticos, terão 3 focos: pessoas, técnicas e contexto.
Quem conduz a mudança? Com que pessoas faremos a mudança? A discussão - e as atividades práticas - envolverão o preparo e a formação dos profissionais, identificando os caminhos a seguir para a renovação de informação, experiências, educação. Indicando um padrão de formação que permita aos profissionais uma visão sistêmica da empresa onde atuam. E que a competição permita abrir espaço à cooperação.
Então, que técnicas utilizar ou buscar para testar e estimular esses profissionais? É possível combinar diferentes métodos e técnicas nessa busca: action learning, processos, projetos, treinamento por caminhos como webinar ou pílulas de conhecimento, sense maker, design thinking... Não se trata de escolher “uma ou outra” técnica, mas de buscar a convergência dessas técnicas. Sejam quais forem os recursos, cada participante será desafiado a checar seus limites, incorporar novas experiências, compartilhar e ampliar seus conhecimentos. Convergência de técnicas para a convergência de conhecimentos e estruturar com consistência suas ações.
Mas qual é o contexto? É preciso identificar como a organização a que pertencem vincula-se ao mundo, qual sua posição, qual seu perfil e contribuição. E de que maneira cada profissional se enxerga atuando nesses espaços. Palestras, atividades, oficinas, assim, irão apontar o caminho da reflexão sobre a estratégia corporativa e sua execução. Por que é preciso mudar e o que deve ser mudado? Quais são as mudanças possíveis e resultantes? Qual é o caminho, enfim, desde a formulação da estratégia até a execução?
A estrutura do seminário reflete a ideia de que é importante repensar as decisões e formulações de objetivos. Por isso, em 2015 serão retomadas ideias trabalhadas nas edições anteriores. Teremos palestrantes avaliando os caminhos que traçaram, em suas organizações, para conduzir as mudanças necessárias – e que participam desde a 1ª edição do seminário. Como foi sua jornada de mudanças desde então? Como foi interpretada a necessidade de mudar, o que era necessário mudar e... quais mudanças foram alcançadas?

Plenárias, oficinas para mudanças e lições aprendidas
Palestras, apresentação de Casos e atividades em grupo, são realizadas durante as plenárias divididas em Painéis Temáticos. Os elementos conceituais já indicados acima perpassam toda a estrutura de programação do seminário.
Dinâmicas e tarefas em grupo completarão, nas plenárias, o acompanhamento das palestras e apresentação de casos dos especialistas convidados. Estes especialistas terão o apoio de consultores da Dynamica na condução de atividades com os presentes. Os tópicos essenciais, nessas atividades, são: o grau de maturidade dos processos de GMO nas empresas e o papel da liderança na realização de mudanças. O quadro a seguir sintetiza a posição de uma liderança corporativa e seu envolvimento com a Gestão de Mudanças Organizacionais:

papeldalideranca

Os participantes levarão às atividades em plenária, a experiência real de suas empresas com os processos de mudanças e irão contribuir, com sua visão pessoal em meio a atividades em grupo, na análise do padrão atual de ação das lideranças corporativas.
Intercalando os painéis, as Oficinas para Mudanças reúnem os participantes em torno de desafios a seus Conhecimentos, Habilidades e Atitudes. O evento exige dos presentes a participação em 2 Oficinas cujos temas são conhecidos apenas no início de sua realização. Envolvem integração e criatividade dos inscritos para exercitar tarefas inéditas que ampliarão seu leque de experiência pessoal e profissional.
Do conjunto de atividades resultam reflexões, insights ou novos questionamentos por parte dos participantes que os registram, a cada etapa do seminário, nas Árvores das Lições Aprendidas. As anotações, frases espontâneas grafadas em post-its, documentam o clima do evento e o envolvimento dos participantes com os temas discutidos (saiba mais detalhes sobre a programação em 2013 e 2014).

Diálogos 2015, mais uma edição de sucesso
A partir destas considerações é possível entender o “espírito” da formatação e os temas de Diálogos 2015. O seminário, orquestrado para discutir os melhores caminhos para a GMO, é uma oportunidade de aperfeiçoamento pessoal e profissional e troca de experiências com especialistas e executivos de diversas áreas de atuação no mercado.
Em breve estará no ar o hotsite Diálogos 2015, com nova estrutura e com as informações sobre a organização e realização do evento sendo atualizadas constantemente. A chamada do evento é uma boa síntese sobre a importância de Diálogos criativos e produtivos:

“quem trilha novos caminhos deve refazer-se durante a jornada”



Envie seus comentários para: dynamica@dynamicaconsultoria.com.br

 
arrow Left

Clientes

Parceiros

Desde 2010128140